PARADIGMAS PEDAGÓGICOS
A ARQUITETURA PEDAGÓGICA DA SUSTENTABILIDADE possui três ideias íntimas nas quais se apoia para abraçar e alimentar as pedagogias reunidas nos Módulos. Essas ideias são os PARADIGMAS PEDAGÓGICOS que suportam a construção de valores e práticas observados na transição civilizatória à sustentabilidade. Esses paradigmas são as epistemes cognitivas de aprendizagem que validam a experiência da transição vivida. (...) OS PARADIGMAS DA ARQUITETURA PEDAGÓGICA DA SUSTENTABILIDADE são redes psico-neuroimunológicas usadas como epistemes cognitivas inspiradoras de uma aprendizagem sensível, sutil e solidária. Com essas fontes podemos localizar a origem cognitiva do comportamento degradador do humano qual seja a dialógica disjuntiva entre o vazio emocional da indiferença e a plenitude racional da arrogância, tendo como transcendência a instrumentalidade que marca a trajetória colapsista nas sociedades.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.12, 16

PARADIGMA DA CRUCIALIDADE DO PRESENTE (PCP)
O Paradigma da Crucialidade do Presente (PCP) responde à cultura da arrogância. A arrogância é o agir egocêntrico, cínico e sem limites do humano em relação a tudo e a todos e também está na origem da trajetória colapsista das sociedades. O PCP tem como objetivo pedagógico construir a perspectiva local/presencial de transição civilizatória à sustentabilidade. Sua estrutura cognitiva de aprendizagem é dada pelas três LÓGICAS OPERATÓRIAS DA SOCIEDADE: a colapsista; a sustentável e a encantadora. A primeira representa o legado da experiência de sofrimento do colapso e que precisa ser valorizado. A segunda representa a futuridade da sustentabilidade e a expectativa de felicidade pública a ser visualizada no presente. A lógica encantadora representa a mediação da crucialidade do presente como o único tempo possível no qual podemos bifurcar de uma trajetória colapsista a uma sustentável e dessa forma mudar o futuro.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.12


PARADIGMA DA RESPONSABILIDADE COM O FUTURO (PRF)
O Paradigma da Responsabilidade com o Futuro (PRF) responde à cultura da sustentabilidade. A responsabilidade é a ação de responder com habilidade às exigências e demandas de uma sociedade sustentável. O objetivo pedagógico do PRF é construir o espaço-tempo amigável de formação humana e habilitações especificas necessárias à construção da cultura da sustentabilidade humana no Planeta. Sua estrutura cognitiva de aprendizagem é dada pela integração das três LÓGICAS OPERATÓRIAS DA SUSTENTABILIDADE HUMANA NO PLANETA: a do cuidado, a da prudência e a da responsabilidade. A primeira realiza a mediação das dependências do humano e sua autonomia no ambiente local e planetário em que vive. A segunda realiza a mediação contextual histórica e contingencial em busca das melhores práticas; e a terceira realiza a mediação das futuridades entre humanos e natureza em suas ações.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.12


PARADIGMA DA SUBSTANTIVIDADE DA NATUREZA (PSN)

O Paradigma da Substantividade da Natureza (PSN) responde à cultura da indiferença. A indiferença é um vazio de emoção em relação às pessoas e à natureza e está na origem da trajetória humana de violência, degradação e instrumentalização. O PSN tem como objetivo pedagógico ocupar esse vazio cognitivo com as emoções, sentimentos e reconhecimento de um religare do humano consigo mesmo, com a natureza e com a
humanidade e o Planeta. Sua estrutura cognitiva de aprendizagem é dada pelas três LÓGICAS OPERATÓRIAS GERAIS DA NATUREZA: as imanentes, as constituintes e as transcendentes. As primeiras são de natureza complementar e inerentes à estabilização da matéria física, biológica e humana permitindo sua evolução enativa. As segundas são de natureza autonomista e constituidora do vivo e sua coerência de neurobiodiversidade. As lógicas transcendentes são de natureza emergencial e qualificam a complexidade dos fenômenos ecológicos e humanos. Essas lógicas substantivam toda a natureza.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.12


PEDAGOGIA DO COMPLEXO
As PEDAGOGIAS GERAIS DA SUSTENTABILIDADE reúnem as pedagogias DO VIVER, DO COMPLEXO e DO TRANSDISCIPLINAR. O objetivo desse primeiro ciclo de aprendizagem é a construção de um raciocínio dialógico nas pessoas, com um operar complementar, complexo e transdisciplinar. Ele se faz necessário ao reconhecimento e a valorização das lógicas operacionais da natureza física, biológica e humana, bases da formação ética do religare do humano consigo mesmo, com a natureza e com a humanidade.
A PEDAGOGIA DO COMPLEXO constrói o raciocínio complexo do religare do humano com a natureza. Ela constrói um conhecimento íntimo sobre as complexidades da natureza física, biológica e humana. São dialógicas que revelam a enação dos fenômenos da natureza, com suas realidades relacionais, conectivas e emergentes. Na dialógica complexa da natureza, a desordem entrópica da matéria dialoga com a ordem generativa dos processos, constituindo a complexidade de base da qual emerge a organização física dos fenômenos naturais. Na dialógica complexa da vida, a autonomia dos seres vivos dialoga com os limites ecológicos de suas relações de dependência com os demais seres e nutrientes, de onde emerge a organização sustentável de sua convivência. Na dialógica complexa do humano, este surge como determinando e sendo determinado pelas complexidades das relações entre sociedade e cultura e ética e humanidade, tendo como mediador o fenômeno maior da complexidade: o espírito humano.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.14

PEDAGOGIAS CRUCIAIS DA SUSTENTABILIDADE
MÓDULO II reúne as pedagogias do COLAPSO, da SUSTENTABILIDADE e do ENCANTAMENTO.
Seu objetivo é a construção de uma CONSCIÊNCIA SOBRE A CRUCIALIDADE DO PRESENTE através do domínio de metodologias pedagógicas:
reveladoras da trajetória local de colapso das sociedades;
dentificadoras da conduta agregadora de estratégias e práticas sustentáveis e
valorizadoras de formas enativas de construção de conhecimento e consciência, tais como as emoções, a experiência e a mediação pedagógica dos conflitos com o auxílio de éticas, artes, leis e dinâmicas construtivas.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.8


PEDAGOGIA DO ENCANTAMENTO
VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24.03.2022. p.72

A EPISTEME DA PEDAGOGIA DO ENCANTAMENTO está apoiada na experiência milenar do humano em aprender com suas emoções e com a sua própria experiência de vida, tanto com o seu passado como com suas futuridades e os esforços de mediação cotidiana de seus interesses pessoais, familiares e coletivos. Utilizamos três teorias agregadoras de conteúdo científico que nos fornecem o suporte para a reflexão desta experiência de aprendizagem cultural e nos ajudam na construção dos argumentos justificadores da Pedagogia do Encantamento. A Teoria da Autopoiésis, em conjunto com as teorias cognitivas e psico-neuro-imunológicas, nos permite a afirmação ‘é possível o humano aprender com suas emoções’. A Teoria da Complexidade, em conjunto com as teorias Quântica e do Caos, nos permite a afirmação ‘é possível o humano aprender com suas experiências. E a Teoria da Transdisciplinaridade, com a robustez de sua formalização ética, logicial e pedagógica, nos permite a afirmação ‘é
possível o humano aprender com a mediação’. O encantamento dessa pedagogia está na identificação das fontes de humanização que encontramos em nossas emoções, experiências e mediações e não nos instrumentos de força que usamos. Enquanto o corpo se alimenta dos nutrientes biosféricos, o espírito humano se alimenta e evolui de sua transcendência em direção a uma noosfera mais humana e humanizadora.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.72


PEDAGOGIAS ESPECÍFICAS DA SUSTENTABILIDADE
MÓDULO III reúne as pedagogias do CUIDADO, dos BENS COMUNS e da GOVERNANÇA. Seu objetivo é a habilitação específica das pessoas em METODOLOGIAS SENSÍVEIS, SUTIS, SOLIDÁRIAS E ESTRATÉGICAS de criação de espaços permanentes de governança da experiência das comunidades na construção local da cultura da sustentabilidade humana no Planeta, com a formulação de estratégias sociais e a implementação de políticas, programas e projetos de valorização e uso sustentável dos Bens Comuns.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.8

PEDAGOGIAS GERAIS DA SUSTENTABILIDADE
MÓDULO I reúne as pedagogias do VIVER, do COMPLEXO e do TRANSDISCIPLINAR. Seu objetivo é a formação epistêmica do participante em uma estrutura cognitiva facilitadora do RELIGARE DO HUMANO CONSIGO MESMO, COM A NATUREZA E COM A HUMANIDADE, através da valorização pedagógica das lógicas operacionais da natureza física, biológica e humana; das dialógicas de complexidade dos fenômenos naturais e sociais e das éticas, estéticas e estratégias transdisciplinares de humanização do mundo. (...) Chamamos este Módulo de ‘epistêmico’, pois seu objetivo é a formação de um raciocínio sutil, dialógico, complexo e transdisciplinar capaz de reconhecer as lógicas operativas dos fenômenos naturais e humanos e apreender com as derivas deixadas por suas pedagogias. Esse Módulo tem como operador de mediação pedagógica o Paradigma da Substantividade da Natureza que facilita a transição para o movimento inicial de afastamento da visão reducionista da natureza, fonte da cognição colapsista.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.8


PEDAGOGIA DO TRANSDISCIPLINAR
As PEDAGOGIAS GERAIS DA SUSTENTABILIDADE reúnem as pedagogias DO VIVER, DO COMPLEXO e DO TRANSDISCIPLINAR. O objetivo desse primeiro ciclo de aprendizagem é a construção de um raciocínio dialógico nas pessoas, com um operar complementar, complexo e transdisciplinar. Ele se faz necessário ao reconhecimento e a valorização das lógicas operacionais da natureza física, biológica e humana, bases da formação ética do religare do humano consigo mesmo, com a natureza e com a humanidade.
A PEDAGOGIA DO TRANSDISCIPLINAR constrói o raciocínio transdisciplinar do religare do humano com a humanidade. Ela utiliza lógicas ternárias na leitura da realidade e na mediação dos conflitos humanos. Na ética transdisciplinar a lógica ternária valoriza os meios excluídos e promove o diálogo entre a complexidade e os diversos níveis de realidade. Na estética transdisciplinar a lógica do rigor linguístico valoriza a linguagem e promove a mediação entre a abertura epistêmica aos novos valores e a tolerância cultural ao diferente. Nas estratégias transdisciplinares a cognição se abre às lógicas cooperativas, conectivas e emergenciais, com a visualização de futuridades locais e planetárias sustentáveis na transformação estratégica de uma realidade humanizada.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.14


PEDAGOGIA DO VIVER

As PEDAGOGIAS GERAIS DA SUSTENTABILIDADE reúnem as pedagogias DO VIVER, DO COMPLEXO e DO TRANSDISCIPLINAR. O objetivo desse primeiro ciclo de aprendizagem é a construção de um raciocínio dialógico nas pessoas, com um operar complementar, complexo e transdisciplinar. Ele se faz necessário ao reconhecimento e a valorização das lógicas operacionais da natureza física, biológica e humana, bases da formação ética do religare do humano consigo mesmo, com a natureza e com a humanidade.

A PEDAGOGIA DO VIVER constrói o raciocínio complementar do religare do humano consigo mesmo. Ela articula metodologias e teorias de construção de um conhecimento integrado sobre as lógicas operacionais da natureza: a lógica complementar na natureza física, biológica e humana, com a pertinência física e química entre partículas, átomos, moléculas e sistemas; a lógica autonomista nos seres vivos, com a capacidade de autoorganização, autodeterminação e autocriação e a lógica sustentável nos ecossistemas, com o conviver homeostático das resiliências das espécies entre si e seus nutrientes.

VOLUME I: MANUAL DE FORMAÇÃO. Daniel José da Silva. Campeche, Florianópolis, SC. Texto revisado em 24 .03 2022. p.14